Voltar ao trabalho depois da licença maternidade

Como voltar da licença maternidade da mesma forma que saí? Ou ainda melhor?

Nos deparamos com várias mulheres que sofrem do mesmo mal. Será que você se enquadra no grupo de mulheres que têm medo da maternidade? Que acham que para realizar o sonho de ser mãe precisam deixar o emprego que lutaram anos para conquistar?  Ou ainda, que têm medo de serem mandadas embora por acharem que não vão conseguir exercer sua função como antes? Cuidado: abdicar de um sonho hoje pode ser a maior frustração depois. Que tal voltar da licença maternidade melhor do que quando saiu?

Nós duas tivemos filhos, assim como outras tantas amigas nossas

Eu, Gisele, mesmo sendo empresária, morria de medo de engravidar, de ter uma gravidez de risco e de ter que parar de trabalhar. Em qualquer circunstância, principalmente nova, o medo existe. Adiei por algum tempo, mas tinha só uma certeza, de que se não tivesse filho me arrependeria mais tarde. A gravidez acabou vindo sem querer e nem deu tempo de planejar tanto. Nessa mesma época, uma amiga que trabalhava em uma multinacional e que, assim como eu morria de medo de ter que parar de trabalhar, também engravidou.

A barriga começou a crescer e minha gravidez não poderia ter sido melhor nem mais tranquila, trabalhei até a véspera do nascimento dele.

Finalmente o dia chegou para mim e também para a minha amiga. A emoção de ter um filho, para quem sonha, é algo além do que podemos imaginar. Na hora que aquele ser nasce, parece que o mundo se desliga e só existem a mãe, o pai e o bebê, tamanha a felicidade. Minha amiga também tirou licença uma semana antes do seu pequeno nascer.

No final do segundo mês eu já estava desesperada para voltar ao trabalho. Preparei um esquema para ele na loja para poder levá-lo comigo. E foi assim até ele completar 9 meses. Queria voltar do mesmo jeito: bem informada, bem vestida, alegre e disposta (essa última foi a mais difícil!). Posso falar que atingi meu objetivo, voltei melhor do que saí, cheguei mais realizada, mais forte e com mais vontade de crescer, afinal agora tinha alguém que dependia totalmente de mim. Já a minha amiga optou por não voltar mais ao trabalho, mesmo com a empresa querendo que ela voltasse de qualquer forma e propondo vários benefícios, ela decidiu que só queria ser mãe. Nos dois casos, o medo não fez o menor sentido e cada uma se sentiu realizada de uma forma.

Agora eu, Cacá, vou contar a minha história. Quando engravidei trabalhava em uma agência de design, não tinha muito horário para sair do escritório, mas ser mãe sempre esteve nos meus planos. Foi tudo muito natural para mim. Quando fiquei grávida da minha filha, estava na empresa há mais de 3 anos e fui super paparicada pelos meus amigos do trabalho. Tive uma gravidez tranquila, não faltava para ir ao médico ou para fazer os exames pré-natal. Quatro anos depois, ainda na mesma empresa, fiquei grávida do meu segundo filho e também trabalhei até o finalzinho da gestação. Deixei tudo pronto e a equipe preparada para tocar os projetos durante minha ausência. Quando voltei, o escritório tinha mudado de endereço, para muito mais longe da minha casa. Numa mesma semana, bati meu carro duas vezes, pois queria chegar logo em casa para ver as crianças acordadas e não estava conseguindo. Conversei com meus diretores e conquistei o benefício de sair mais cedo alguns dias da semana, eles sabiam que eu não deixaria nada por fazer e poderia trabalhar mais feliz e mais tranquila, e foi assim por muitos anos. Saí de lá por outros motivos e hoje temos a Giz! A minha dica é: não deixe de realizar seus sonhos. Sempre há um jeito para conciliar o que é importante para você!

 

A história da cliente que se preparou para voltar

Uma cliente nos procurou quando estava de licença maternidade porque queria voltar com uma imagem diferente da que saiu, para que seus colegas de trabalho, na maioria homens, a enxergassem como uma mulher ainda mais forte e competente. E ainda tinha o objetivo de ser promovida.

Bom, invadimos o seu armário e encontramos várias peças de uma mulher mais romântica e muito delicada. Não quisemos tirar a principal característica dela, de uma mulher muito feminina, mas criamos uma imagem feminina e menos frágil. Escolhemos peças com mais personalidade, misturamos cores que passam mais credibilidade com cores mais delicadas e tiramos o excesso de babados e rendas. Os sapatos e os acessórios ajudaram na construção dessa mulher. Ela ainda cortou o cabelo, o que fez o seu visual ficar perfeito dentro da imagem que queria passar. Ela realmente se sentia mais forte, com mais vontade de crescer profissionalmente, se não fosse de verdade, a roupa ajudaria mas não resolveria e não seria o suficiente.

Quando voltou ao trabalho, todos notaram a diferença! Não sabiam exatamente o que era, mas todos repararam que tinha algo de diferente nela. Tanto os homens quanto as mulheres, comentaram sobre sua mudança, sempre em tom de admiração. Este caso já tem dois anos, ela está cada vez melhor e, depois de alguns meses, conseguiu ser promovida. Foi a roupa que fez tudo isso por ela? Claro que não! A roupa só foi a estratégia que ela usou para entrar em campo.

Essa é mais uma história de como retornar depois da licença maternidade com grande sucesso.

Nós conhecemos várias mulheres que tiveram casos bem semelhantes a estes. Não se prive do seu sonho por um medo. Se você acha que tem dúvida se quer ou não ter filho, é porque quer, pois quem não quer, não tem dúvida, tem certeza. Não ter filho pode ser uma escolha, mas não tentar com medo de parar de trabalhar pode ser frustrante. Uma coisa é não poder ou não querer, outra é ter medo, o arrependimento pode vir mais tarde.

A consultoria faz comunicar o que mudou em você ou o que você é, através das roupas, da sua postura e das suas atitudes. Uma outra questão que pode ser trabalhada, que falaremos no próximo post, é sobre sua marca pessoal. Você não precisa ficar parada durante os 6 meses, pode ir sinalizando a sua volta e de alguma forma traçando seu plano B, caso não tenha condições de voltar.

Para todo o medo tem uma solução!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *